ROTINA NEM SEMPRE É RUIM. PARA O IDOSO, AJUDA!

ROTINA NEM SEMPRE É RUIM. PARA O IDOSO, AJUDA!

A maioria das pessoas envelhece sem grande comprometimento cognitivo, ou seja, sem apresentar perdas intelectuais ou comportamentais que afetem o seu convívio com familiares e amigos.

Mas, e quando um idoso da sua família apresenta perda de memória, dificuldade de fala, queda nos cuidados de higiene, incapacidade de solucionar os problemas mais usuais do dia-a-dia? O que fazer quando ele se perde em pensamentos abstratos, tem insônia, ansiedade, variação de humor constante, fica agitado ou apático, às vezes depressivo?

As pessoas estão vivendo cada vez mais em todo o mundo, o que faz com que a demência, principalmente na faixa etária acima dos 80 anos, assuma cada vez mais importância. Quando acontece, é um processo geralmente irreversível e causa muito desconforto, tanto na pessoa afetada quanto na família. Por isso, é fundamental informar-se e aprender a conviver com ela da melhor maneira possível.

Em nossa experiência de mais de 40 anos no cuidado com idosos, aprendemos a importância de estabelecermos uma rotina de atividades diárias para minimizar as alterações comportamentais. Em bom português: rotina ajuda, idoso precisa de rotina: um guia prático e simples para a execução das atividades diárias.

Os benefícios, comprovadamente, são muitos:

  1. Cria situação de aprendizagem positiva.
  2. Organiza as experiências sociais, físicas e psicológicas.
  3. Permite melhor integração dos aspectos sociais, físicos e psicológicos.
  4. Auxilia no desenvolvimento da confiança, da segurança e da autonomia.
  5. Ajuda na construção da noção de tempo.

Portanto, para o bem dos idosos, rotina neles!

 

Renata Firpo – Fisioterapeuta